domingo, 2 de dezembro de 2018

COOPERATIVA VAI FORTALECER PRODUÇÃO DE OVOS EM SÃO BENTO DO UNA


O Agreste de Pernambuco quer espaço para mostrar sua vocação. Resistente no setor da agropecuária, com enfrentamento perene à seca da região de pior balanço hídrico do estado, o lugar passa por uma reorganização. Na verdade, é quase um primeiro ajuste no que já funcionava de forma que não utilizava todo o potencial local. A produção de ovos se posiciona cada vez mais em volume produzido, assim como a bacia leiteira entende que precisa se profissionalizar. Ambos em conjunto de agentes econômicos.

Tratando da avicultura, a criação de galinhas e codornas poedeiras vai passar por uma chacoalhada que vai redirecionar a situação de pequenos produtores da região de São Bento do Una. A cidade já é reconhecida no setor, o maior produtor de ovos do Nordeste e o quarto maior do Brasil. Em 2016, por exemplo, foram quase 700 milhões de unidades, representando 26% da produção de ovos do estado, 9,2% do Nordeste e 1,5% do Brasil. Agora, foi criada a cooperativa dos avicultores de São Bento do Una - PE (Coopave), centralizando produtores de diversos portes, para que o movimento em conjunto eleve a produtividade e, consequentemente, a chegada ao mercado local, principalmente para quem não consegue atender as exigências burocráticas individualmente. 

De acordo com o superintendente do Sebrae, Oswaldo Ramos, a vantagem da produção em formato de cooperativa é considerável. "A informalidade sempre atrapalha, principalmente o lado mais fraco. Essa produção em conjunto, no formato de cooperativa, coloca esses trabalhadores em outro patamar, porque faz aquele criador que tem uma produção pequena participar de mercados que ele não conseguiria sozinho, já que precisa de licenças e adequações que são inviáveis para o pequeno. Com a cooperativa, o ovo passa por avaliação de qualidade e é a soma que entra no mercado. Hoje, são 24 cooperados e a meta é chegar em 60 nos primeiros dois anos de atividade da cooperativa", destacou. 

Recém inaugurada, a cooperativa já fez uma venda de 150 mil ovos e mais duas de 90 mil. E nessa primeira leva, participaram produtores de portes diversos. "Tem gente que possui mil galinhas e tem gente que tem 50 mil. A dinâmica da cooperativa funciona de forma que a gente oferece um preço saudável para comprar a todos os cooperados e a venda fica a cargo da cooperativa. Além de colocar os pequenos para participar, ajuda o setor, que sofre com a participação de intermediadores que puxam o preço do nosso produto muito para baixo. Então esse movimento representa um ganho na organização do setor e financeiro para todos", detalhou o presidente da cooperativa e produtor de ovos de codorna, Tobias Aguiar. 

(Diário de Pernambuco)

Nenhum comentário:

Postar um comentário