quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019

SEM TER O QUE FAZER: VEREADORES ESTUDAM MUDAR NOME DE AVENIDA EM CAPOEIRAS


Na sessão plenária da Câmara de vereadores de Capoeiras, no dia (29) de Janeiro, a vereadora Carla Rodrigues informou que pretende apresentar nos próximos dias um projeto de lei propondo a mudança de nome da Avenida 31 de Março, para Avenina José Valtaso de Macedo. A vereadora usa como justificativa homenagear o Ex-prefeito Valter Elias que morou na Avenida e por não simpatizar com a data 31 de Março.

Que o saudoso Ex-prefeito Valter Elias merece ser homenageado, isso é público e notório, e não apenas com o seu nome em uma Rua ou Avenida, mais sim em um prédio público de grande importância, lhe fazendo jus aos relevantes serviços prestados ao município.

Diante de tantas atribuições que cabem aos vereadores, em vez de buscarem fiscalizar os órgãos municipais, acompanhar a aplicação dos recursos e cobrar melhorias para a população, aparece uma parlamentar preocupada em mudar o nome de uma Avenida, vejam a que ponto chegamos. Senhores vereadores, vocês deveriam procurar mais o que fazer.

Um comentário:

  1. O presente domina o passado

    o passado é o que nos molda e que nos ensina. Toda forma de conhecimento, todo acontecimento passado, e tudo o que existe tanto como tecnologia quanto filosofia veio do passado não negamos nossa genealogia pelo fato de aprendermos com o passado, mesmo sendo este passado ruim, pois isso é a lei da causalidade, toda causa tem seu efeito. precisamos conhecer o mal para assim conhecer o bem, pois ambos são pólos de uma mesma coisa. Para entendemos a verdade tem-se que conhecer os lados destes pólos e não omiti-los, por isso é importante conhecer nosso passado, para assim não cometermos os erros dos nossos pais, mesmo que as sombras destes erros apareçam em nossa sociedade. É melhor conhecer do que não conhecer, o futuro está nas suas mãos.
    Temos uma sociedade de pensamento marxista? Por impressionante que pareça, parece que sim. E o mais impressionante, ainda, é que não encontro em Capoeiras uma pessoa que leu o manifesto comunista de Marx e Engels.
    No pensamento comunista de Marx, sobre o passado, ele diz: “Na sociedade burguesa, o passado domina o presente; na sociedade comunista, o presente domina o passado”. Todos sabemos que as experiências, fatos e acontecimentos do passado, é o que, analisamos e estudamos para tomar decisões no presente. Apagar os fatos históricos do passado, mesmo que pareçam insignificantes, é colocar as novas gerações no ciclo de erros, pois não consegui avaliar decisões do presente, sem o conhecimento do passado.
    A mudança do nome da avenida 31 de março, não mexe, apenas nas pessoas e casas comerciais, que vão ter o trabalho de mudar todos os seus cadastro, mexe também, no fato histórico, e esse é o me parece mais grave, mudar o passado, não só do país, mas também da história de Capoeiras.
    Sem o acontecimento de 31 de março de 1964, o golpe militar, a história de Capoeiras, seria outra, com toda certeza. Em 21 de dezembro de 1963, uma lei estadual, cria o município de Capoeira, no governo do estado estava, Miguel Arraes, nomeado para prefeito de Capoeira, o senhor Gabriel Branco. Em 31 de março de 1964, com o golpe, cai Miguel Arraes, e entra o vice governador, Paulo Guerra. A frase inesquecível de Paulo Guerra, que está no livro “PERFIL PARLAMENTAR SÉCULO XX” . Uma coleção da assembléia legislativa do estado de Pernambuco, em 22 volumes, foi: “CHEGUEI AO GOVERNO COM CHEIRO DE PÓLVORA. SE UM DIA TIVER DE VOLTAR, SÓ O FAREI COM CHEIRO DE POVO”.
    Com o novo governador, o primeiro prefeito nomeado de Capoeira, também mudou. E acredito que sabemos como foi o resto da história. Valter Elias, já tem o seu nome imortalizado na história de Capoeiras. Não importa, se temos vergonha de um fato histórico. Se acreditamos que o presente domina o passado. O que faremos para o futuro?

    José Francisco e Mel Oliveira, Capoeiras 09/02/2019
    fonte:
    Perfil parlamentar século xx, volume 19
    Manifesto comunista, Marx e Engels
    Instituto Mises Brasil, website


    ResponderExcluir